BLOG DO ENG. ARMANDO CAVERO MIRANDA -BRASIL


MACHUPICHU MARAVILHA DO MUNDO

"Two things are infinite: the universe and human stupidity; and I'm not sure about the the universe." ALBERT EINSTEIN - “SE SEUS PROJETOS FOREM PARA UM ANO,SEMEIE O GRÂO.SE FOREM PARA DEZ ANOS,PLANTE UMA ÁRVORE.SE FOREM PARA CEM ANOS,EDUQUE O POVO.” "MATH IS POWER TO CHANGE THE WORLD AND THE KEY TO THE FUTURE" 'OBRIGADO DEUS PELA VIDA,PELA MINHA FAMILIA,PELO TRABALHO,PELO PÃO DE CADA DIA,PROTEGENOS E GUARDANOS DE TODO MAL"

domingo, 31 de maio de 2015

Ceremonia de Incorporación del Dr. Harald Helfgott Seier como Profesor HONORARIO DE LA UNIVERSIDAD NACIONAL MAYOR DE SAN MARCOS LIMA PERU



 Publicado em 7 de ago de 2013

Un gran honor significa para San Marcos contar entre sus catedráticos con el investigador peruano Dr. Harald Helfgott Seier , cuyo nombre trascendió las fronteras al ser él quien resolvió en abril de este año la Conjetura débil de Goldbach, problema de cálculo no resuelto desde hace 271 años y que a decir de , el quinto mejor matemático de su tiempo, en su famoso discurso de 1921 es uno de los problemas irresueltos más difíciles de las matemáticas

 Por este y otros invalorables aportes a la investigación en el área de las matemáticas, el Dr. Helfgott Seier fue incorporado por la Universidad Nacional Mayor de San Marcos como Profesor Honorario, en una solemne ceremonia desarrollada este 5 de agosto en la Capilla Virgen de Loreto en el Centro Cultural de San Marcos

 El discurso de orden estuvo a cargo de la Decana de la facultad de matemáticas, Dra. Doris Gómez Ticerán

Tras el discurso, El Rector de San Marcos, Dr. Pedro Cotillo Zegarra le impuso la medalla y le hizo entrega del respectivo diploma que lo convierte en profesor honorario de nuestra casa superior de estudios.

Visiblemente emocionado por esta distinción, el matemático compartió con los asistentes sus primeras impresiones.

A la ceremonia asistieron el Rector de la Universidad de San Marcos, Dr. Pedro Cotillo Zegarra. La Vicerrectora Académica Dr. Antonia Castro Rodríguez y el Vicerrector de Investigación Dr. Bernardino Ramírez Bautista. Así mismo, la Decana de la Facultad de Ciencias Matemáticas, Dr. Doris Gómez Ticerán y sus orgullosos padres, los doctores y catedráticos sanmarquinos Michel Helfgott y María Edith Seier Zúñiga

лекция 8 | Путешествие по современным областям анализа и теории чисел | ...

Lecture 2 Travel by modern analysis and number theory Harald Helfgott, Organized MATHEMATICAL laboratory Chebyshev лекция 2 | Путешествие по современным областям анализа и теории чисел | Harald Helfgott | Лекториум



 CONFERENCIA MINISTRADA PELO MATEMATICO PERUANO Harald Helfgott SOBRE LA TEORIA DE NUMEROS NO LABORATORIO DE MATEMATICAS CHEBYSHEV

Путешествие по современным областям анализа и теории чисел, лекция 2, Курс: Путешествие по современным областям анализа и теории чисел, Лектор: Harald Helfgott, Организаторы: Математичеcкая лаборатория имени П.Л.Чебышева
Смотрите это видео на Лекториуме: https://lektorium.tv/lecture/24384

Дополнительные материалы к лекции: http://chebyshev.spb.ru/userfiles/fil...


Другие курсы на эту тему доступны тут https://lektorium.tv/medialibrary 
Подписывайтесь на канал: http://www.youtube.com/channel/UCxAGk... 
Следите за новостями: 
https://vk.com/openlektorium
https://www.facebook.com/groups/Lekto...

Harald Andrés Helfgott - Humboldt Professorship 2015 (EN)


 Publicado em 5 de mai de 2015 Every odd number from seven upwards is the sum of three prime numbers according to Goldbach’s ternary conjecture, which has kept mathematicians busy since the 18th century. They have been searching for evidence to prove or refute the conjecture for over two hundred years - but, in spite of remarkable advances in the early 20th century and steady progress since then, a proof was not forthcoming.
In 2013, Peruvian mathematician, Harald Andrés Helfgott, gave a complete proof of the ternary Goldbach conjecture with some computer assistance. And it was not his first breakthrough in mathematics. He has solved fundamental problems on growth in groups and has contributed to the application of diophantine geometry in number theory. He is now set to become an Alexander von Humboldt Professor at the University of Göttingen, reinforcing the research focus on algebraic geometry and number theory and helping Göttingen to advance from an internationally recognised centre of excellence to become a global leader in the field.
 Nominating University: University of Göttingen
 Prof. Dr. Harald Andrés Helfgott Born in Peru in 1977, Harald Andrés Helfgott has been a senior researcher at the Centre national de la recherche scientifique (CNRS) in Paris since 2010, becoming a research professor in October 2014. He studied in the United States, first at Brandeis University and then at Princeton University, where he took his doctorate in 2003. He continued his career as a postdoc at Yale University, USA, and as a lecturer at the Université de Montréal, Canada. After a sojourn at the University of Bristol, UK, Helfgott joined CNRS in France in 2010. He is a member of the American Mathematical Society and the Société Mathématique de France. In his home country of Peru he holds an honorary professorship at the Universidad Nacional Mayor de San Marcos.

Equations and Inequalities: Elementary Problems and Theorems in Algebra and ... Por Jiri Herman,Radan Kucera,Jaromir Simsa




LINK
https://books.google.com.br/books?id=l0CDp-YVyjoC&lpg=PP1&hl=pt-BR&pg=PR4#v=onepage&q&f=false


101 problems in algebra from the training of the USA IMO team Andreescu T., Feng Z




LINK ORIGINAL ENCONTRADO EN LA WEB
https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0CB0QFjAA&url=http%3A%2F%2Fdiendantoanhoc.net%2Fforum%2Findex.php%3Fapp%3Dcore%26module%3Dattach%26section%3Dattach%26attach_id%3D16257&ei=z0xrVZ7mM4TFggTi3oDgCQ&usg=AFQjCNHzqV_b_GSJUurp8KvqhvEi05Z3OQ&sig2=M9ERmv6wHUXT7DqbKw2X5g&bvm=bv.94455598,d.eXY

LINK ALTERNATIVO1
http://booksee.org/dl/725126/4c2899

LINK ALTERNATIVO2
https://books.google.com.br/books?id=SOhK0w08XnwC&lpg=PA139&ots=3qtR70eou-&dq=101%20problems%20in%20algebra%20from%20the%20training%20of%20the%20USA%20IMO%20team%20Andreescu%20T.%2C%20Feng%20Z&hl=pt-BR&pg=PP1#v=onepage&q&f=false

sábado, 30 de maio de 2015

SCIENCE A YEAR IN SPACE Exclusive: Space Station Astronauts Talk Loneliness, Missing the Weather and Their Crazy Work Schedule


 Astronauts Scott Kelly and Terry Virts speak live from the space station The first six weeks of Scott Kelly’s marathon year aboard the International Space Station (ISS) haven’t been easy. There was the reacclimation to zero-gravity, the failure of a Russian cargo ship carrying needed supplies, the cancellation of singer Sarah Brightman’s planned visit—to say nothing of the constant, minute-by-minute work schedule that is the stuff of any day aboard the station. Kelly and astronaut Terry Virts discussed those things and more in one of at least four video chats TIME will conduct with the ISS during our exclusive Year in Space coverage. Phoning the station is not easy. It takes days of planning and at least an hour of sound checks before the uplink is made, and then long delays as questions and answers are relayed back and forth. It makes ordinary conversation a challenge. Still, even in the 14 minutes the connection lasted—during which the station passed over Canada, the Great Lakes, Minneapolis, Denver, and Southern California—Kelly and Virts were surprisingly open, sharing their feelings about both the camaraderie and the sublime loneliness of being where they are. Kelly especially must be mindful of those feelings as he faces 10 more months of circling the Earth, while his family and friends and everything he knows lie 250 miles below him. “It’s one thing I think about every single day,” he said. And then, like any other astronaut, he put that aside and went back to his work.
LINK ORIGINAL
http://time.com/3859952/international-space-station-scott-kelly-nasa/

terça-feira, 26 de maio de 2015

A BELEZA DAS MATEMÁTICAS - ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS

A beleza da matemática

15/05/2015
Falar sobre a "beleza da matemática", tema da conferência do francês Étienne Ghys, que abriu a Reunião Magna 2015, pode parecer paradoxal. O público em geral tem pouco interesse nessa disciplina. "As pessoas costumam lembrar-se apenas de fórmulas feias e terríveis; memórias dolorosas de tempos de colégio", comentou o diretor do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França (CNRS) e professor da École Normale Supérieure de Lyon, diplomado membro correspondente da ABC no dia 5 de maio. "A imagem da matemática está longe de ser positiva como a do artista. O matemático é visto como um calculador frio, quase como uma máquina." 

Ghys afirmou ser curioso o fato de a maioria pensar que matemática e beleza não podem coexistir, enquanto que os matemáticos, quando estão juntos, não costumam descrever teoremas, mas falar da beleza estética dessa ciência. "Entre nós, existe um consenso implícito, razoavelmente claro, em torno do conceito de beleza da matemática. Como é possível que 99,99% da população achem algo feio, enquanto 0,01% consideram esta mesma coisa bonita? Podemos descrever e compreender uma beleza matemática reservada a uma pequena casta?" Ele cogitou que esse fenômeno pudesse representar um link social com o propósito de construir uma identidade e "proteger-se da agressão do mundo exterior". 

Os artistas tomam muito cuidado com a palavra beleza, continuou Ghys, e, muitas vezes, a rejeitam, enquanto o público tende a associar a arte a ela. No entanto, ele ressaltou que, há séculos, a beleza não está mais no centro da arte. Um exemplo é a célebre obra de Marcel Duchamps intitulada "Fontaine", de 1917, que é um mictório. 

A matemática na filosofia

A estética é um capítulo importante na filosofia clássica, desde Platão, mas poucos filósofos abordam a beleza da matemática. O matemático húngaro Paul Erdös, por exemplo, tinha uma ideia muito simples e ingênua da beleza da matemática, de acordo com Ghys: "Ele disse que, se a pessoa não a vê espontaneamente, não há como mostrá-la". Erdös era ateu, mas afirmava que Deus tem um livro em que escreveu as mais belas demonstrações matemáticas, e que, de vez em quando, mostra uma página desse livro a alguém. "Para Erdös não é necessário acreditar em Deus, mas é preciso acreditar no livro."

O francês destacou que alguns matemáticos se consideram "exploradores que desmatam florestas selvagens, às vezes descobrindo clareiras bonitas". Há também os que seguem a teoria filosófica de Platão do realismo estético. "O mundo externo ao ser humano é eterno. Os matemáticos, nesse sentido, são espectadores, e a beleza é uma qualidade ligada aos objetos", explicou. É uma qualidade objetiva; independe do sujeito que o observa. Esse pensamento é o "neoplatonismo matemático". 

O austríaco Kurt Gödel dizia que há teorias matemáticas impossíveis de se mostrarem verdadeiras ou falsas. Sua interpretação é a de que os seres humanos não têm ferramentas suficientes para conhecer plenamente as entidades matemáticas - elas existem independentemente de nós, e somos incapazes de entendê-las. "Elas vivem em um mundo paralelo, e Gödel as imaginava como anjos e demônios. É algo próximo da alegoria da caverna de Platão. Os cérebros humanos são como prisioneiros, que vivem numa sombra." 

O auditório da ABC lotado para a conferência de Étienne Ghys

Em seu romance "Da Terra à Lua", Júlio Verne estava tão convencido da universalidade da matemática que os homens poderiam representar o teorema de Pitágoras em um triângulo tão grande que poderia ser visto (e compreendido) da Lua: "Qualquer ser inteligente, disse o matemático, deve entender o significado científico daquela figura. Os selenitas, se existirem, irão responder por uma figura semelhante e, uma vez a comunicação estabelecida, será fácil criar um alfabeto que permitirá conversar com os habitantes da Lua". 

Em "Hípias Maior", Sócrates definiu a beleza como apenas uma forma da verdade, que deve ser associada com o prazer de ver e ouvir. Já Bertrand Russel afirmou que a matemática, quando vista da maneira certa, tem em si não só a verdade, mas "uma beleza austera, fria, como a de uma escultura".

A beleza a partir do cérebro

Ghys deu um exemplo do que considera estética na matemática:um número primo, divisível apenas por ele próprio e por um. Se o número não é primo, pode ser decomposto por dois números menores, que também podem ser decompostos se não forem primos e por aí vai. No final, todos os números são decompostos em números primos. Euclides diz que há uma infinidade de números primos. "Para qualquer conjunto finito de números primos, podemos encontrar números primos diferente daqueles. Então há uma infinidade deles", explicou. 

O francês mencionou um trabalho recente de neurobiologia do Reino Unido, que tentou localizar a percepção da beleza no cérebro humano a partir da observação de obras de arte. Com voluntários matemáticos, essas obras foram trocadas por trabalhos de matemáticos famosos, e percebeu-se que a área do cérebro que aprecia a beleza matemática é a mesma usada para admirar a arte ou a beleza de uma música: é o campo medial do córtex orbitofrontal.

Além disso, todos os seres humanos sentem a mesma emoção estética frente a uma paisagem, devido à glândula pineal, órgão localizado perto do centro do cérebro. "Descartes dizia que é nesta glândula que há uma conexão entre o corpo e a alma", contou Ghys. "Ou seja, aqui, em vez de concentrar o foco na beleza exterior, a ênfase é no sujeito que está observando." Por essa análise, o matemático não é mais um espectador; mas um ator, e a cena da ação não é externa - trata-se de um processo psicológico interno e inconsciente.

O palestrante levou em conta que os conceitos de beleza na matemática também podem ficar bem próximos da unanimidade: basta observar a simplicidade de fórmulas como a de Euler e outras não tão simples, como a de Ramanujan (ver foto abaixo) e imaginar qual delas é considerada mais bela. 


O "page rank" matemático

"O desejo de beleza nos leva às mesmas escolhas que a utilidade", ressaltou Ghys, citando o matemático e filósofo Henri Poincaré, que inspirou a edição de 2015 da Reunião Magna: "O cientista não estuda a natureza porque é útil, mas porque gosta do que faz, porque é bonito". Immanuel Kant defendia que o objeto estético deve ser útil, mas sem ser pensado exclusivamente com esse propósito. 

Ghys afirmou que o espaço matemático e o espaço da web são parecidos, com milhões de conexões, sendo o primeiro, ainda assim, consideravelmente maior. "Minha sugestão é ver a beleza da matemática como uma espécie de 'page rank' do Google, para atribuir importância às páginas. A eficiência de um teorema depende do tamanho do território que sua descoberta abra." 

Na web, continuou Ghys, quem calcula o ranqueamento de páginas são os "robôs do Google" - este seria um papel análogo ao inconsciente do matemático, que faz o trabalho de avaliação "sem avisar nossa consciência". Conforme afirmou Poincaré: "É pela lógica que provamos e pela intuição que descobrimos".


(Clarice Cudischevitch para NABC)
Todas as matérias deste site podem ser reproduzidas, desde que citada a fonte.

domingo, 24 de maio de 2015

Brasil conquista o primeiro lugar geral por países na 26ª Olimpíada de Matemática do Cone Sul


Pedro Henrique Sacramento de Oliveira, de Vinhedo (SP), recebe a medalha de ouro (Foto: Divulgação/OBM) 

Uma jovem equipe de estudantes acaba de conquistar o primeiro lugar geral na classificação por países na 26ª Olimpíada de Matemática do Cone Sul, que encerrou hoje (18) na cidade de Temuco, no Chile. A delegação obteve uma medalha de ouro e três de prata totalizando 201 pontos. 

A medalha de ouro foi conquistada por Pedro Henrique Sacramento de Oliveira, de Vinhedo (SP), enquanto os estudantes André Yuji Hisatsuga, de São Paulo (SP), Guilherme Goulart Kowalczuk, de Porto Alegre, (RS) e Vitor Carneiro Porto, de Fortaleza (CE), receberam as medalhas de prata. Os jovens foram liderados pelos professores Krerley Oliveira, de Maceió (AL) e José Armando Barbosa Filho, de Natal (RN). 

FONTE INFORMAÇÃO:
http://www.obm.org.br/opencms/chamadas/chamada_0007.html

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Exámenes de Admisión de la Universidad Nacional Mayor de San Marcos(LIMA-PERÚ) tomados desde el Concurso de Admisión 1990 al 1998




GRACIAS AL GRANDIOSO APORTE DEL BLOG PERUANO PROFESORES PARTICULARES NIVEL PREUNIVERSITARIO ( http://profesoresparticulareslima.blogspot.com.br/p/examenes-de-admision-unmsm-199-al-1999.html?showComment=1430485822307 )LES DEJO
ESTE VALIOSO DOCUMENTO DE EXAMENES DE ADMISIÓN A LA UNIVERSIDAD NACIONAL MAYOR DE SAN MARCOS.

A Universidade Nacional Maior de São Marcos (UNMSM) (tradução do nome em espanhol: Universidad Nacional Mayor de San Marcos) é uma universidade pública peruana com sede na capital do país, Lima. Atualmente é a principal instituição de ensino do país. Também é oficialmente a primeira universidade peruana e a mais antiga do continente americano. Passaram pela universidade a maior parte dos mais influentes cientistas, políticos, escritores e filósofos do PerÚ.contemporâneo.
WIKIPEDIA;http://pt.wikipedia.org/wiki/Universidade_Nacional_Maior_de_S%C3%A3o_Marcos

Hola, buen día mis amigos académicos, aquí podrán descargar los Exámenes de Admisión de la Universidad Nacional Mayor de San Marcos (UNMSM) tomados desde el Concurso de Admisión 1990 al 1998. Si desean los solucionarios sólo contáctenos. Les dejo los links aquí abajo, cuando sean dirigidos a la página esperan 5 segundos y sólo denle click a Saltar Publicidad para ser redirigidos a descargar los exámenes, así como se explica en la siguiente ilustración, cuídense y a estudiar mucho.

Aquí tienen los links de descarga en Mega: